ENTREVISTA DELFINA MARQUES

Capote’s Emotion · Évora

Delfina Marques, mentora da reinvenção do Capote Alentejano, fala-nos nesta pequena entrevista da adaptação ao mercado e da tomada de consciência coletiva que “…o amanhã tudo pode mudar!”

Esta pandemia já nos mostrou que amanhã tudo pode mudar, que a dureza desta lição nos possa legar conhecimento para mudar a nossa atitude.

 

A Loja Capote’s Emotion viu-se obrigada a encerrar portas temporariamente devido à pandemia COVID-19, mas conseguiu manter o atelier em atividade. Mantiveram encomendas durante este período?

Encerrámos a loja e o atelier no dia 13 de Março e reabrimos no dia 4 de Maio. Na última semana de Abril, em dias alternados e ainda de portas fechadas, conseguimos avançar com parte da nossa colecção de Primavera a pensar nos presentes do Dia da Mãe que este ano se celebrou no dia 3 de Maio. É habitual nesta altura do ano recebermos muitas encomendas de túnicas e vestidos. As nossas clientes contam com as peças da Capote’s por serem únicas e feitas à medida e este ano essa tendência não se alterou.

 

Logo no início do Estado de Emergência disponibilizámos os recursos do nosso atelier

 

Portugal tem sido elogiado pela solidariedade e entreajuda da nossa comunidade. Sabemos que desenvolveram máscaras como contributo para algumas Câmaras Municipais da região. Como surgiu esta iniciativa e que impacto teve?

Logo no início do Estado de Emergência disponibilizámos os recursos do nosso atelier à Câmara Municipal de Évora e ao Hospital de Évora, bem como, a outras autarquias do distrito. As Câmaras Municipais de Reguengos de Monsaraz, Viana do Alentejo e Portel, solicitaram a nossa colaboração no corte de 20.000 máscaras de uso comunitário que foram distribuídas de forma gratuita pela população desses concelhos. Tivemos obviamente todo o gosto, em colaborar com iniciativas solidárias.

 

É expectável que o número de turistas seja diminuto no futuro próximo. Já têm uma estratégia para a Capote’s Emotion a curto e médio espaço de tempo?

 

A nossa atividade tem uma forte componente sazonal, que temos tentado atenuar, com algum sucesso. Devido à nossa localização no centro histórico e à especificidade do nosso trabalho, o turista estrangeiro é um consumidor importante durante os meses de Verão, mas a maior parte dos nossos clientes são Portugueses. Os emigrantes constituem durante o mês de Agosto a maioria dos nossos clientes. Estamos confiantes que o nosso público-alvo nos visitará como é habitual. Por outro lado, estamos a reforçar a nossa oferta e a venda online.

 

 

 

Atualmente existe uma grande preocupação com a economia global. Na sua opinião como podem os empresários e comércio Eborense, agir a nível local de forma a sobreviver a esta nova realidade? Quais as perspectivas para o comércio local?

Penso que a economia global tal como existia antes da pandemia já não volta. Parece-me que agora o foco será o local/nacional. É na diferenciação que temos que continuar a apostar. Reforçar o que é nosso será a grande mais valia. Não é um propósito fácil mas penso que é fundamental e acertado.

 

…Abrandar o ritmo das nossas vidas é vital.

Na sua opinião o que irá mudar no day after? Quais serão os riscos e as oportunidades de negócio pós-COVID19?

O importante agora é repor a confiança e dominar o medo. Neste momento já conhecemos melhor a situação e com os devidos cuidados é tempo de “Voltar à vida”. Muito terá, ou teria… que mudar, nas relações entre os seres humanos e destes com o Planeta. Quero acreditar que esta pandemia que tanto nos exige a todos, servirá também e sobretudo para uma tomada de consciência coletiva. Todos temos que fazer a nossa parte, de outra forma não vamos lá. Abrandar o ritmo das nossas vidas é vital. Viver com mais qualidade o momento, valorizar o presente é a atitude mais sensata nas nossas vidas pessoais e também nos nossos negócios. Esta pandemia já nos mostrou que amanhã tudo pode mudar, que a dureza desta lição nos possa legar conhecimento para mudar a nossa atitude.

 

…é tempo de “Voltar à vida”

 


Fotografias cedidas por Capote’s Emotion

PRÓXIMA, CONTEMPORÂNEA E MUITO DIGITAL

Estamos empenhados em partilhar curiosidades e interesses sobre Évora e o Alentejo sem sair de casa.

#BeAtHome até voltarmos todos BeOnCity